"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Quinta-feira, 8 de Fevereiro de 2007
Aproxima-se a hora da decisão

Estamos no final da campanha para o referendo sobre a IVG. Uma campanha bastante ruidosa mas nem sempre esclarecida e esclarecedora. Nem sempre esclarecida e esclarecedora muito por culpa do NÃO que deitou mão a uma série de argumentos desviantes, duvidosos e insustentáveis que nada têm a ver com a questão colocada em referendo. A chantagem do Clero sobre os seus fieis incutindo-lhes ameaças morais e religiosas imcompreensiveis num país civilizado no século XXI também fizeram parte deste ruído, Clero este, que condena a IVG mas que oficialmente continua a condenar o uso do preservativo como método contraceptivo (talvez defendam como solução ideal que sejamos todos abstinentes).

Assistimos ao ridículo de ver os lideres e outros dirigentes partidários do PSD e CDS/PP a defender medidas para combater o aborto contrárias às politicas que praticaram durante os anos em que foram governo maioritário (Bagão Félix já não deve lembrar-se dos direitos que retirou aos trabalhadores e à protecção da maternidade no emprego com o novo código do trabalho), o ridiculo de dizerem que vão fazer agora o que nunca quizeram fazer antes, o ridículo de defenderem o voto no NÃO e prontificando-se a levar posteriormente ao parlamento uma lei que isente a mulher da punição. E neste caso, a mulher seria despenalizada, mas não sendo a IVG legal, onde poderia fazê-la? no estrangeiro? no “vão de escada” como até agora?
Pura hipocrisía, o único grupo parlamentar que defendeu a discussão e aprovação da despenalização em sede própria, a Assembleia da República, foi o da CDU, contra o voto favorável do PS, PSD e BE e a abstenção do CDS/PP pelo referendo. Estes e outros argumentos, mais não são que atestados de menoridade mental ao povo português, fazem parte do tal ruído que a bem do esclarecimento e da coerência com as atitudes práticadas, eram perfeitamente evitáveis.

Aqui no Blog, pronunciei-me algumas vezes e assumi a campanha pelo SIM, assumo esta posição e a campanha porque acredito convictamente que é a única solução para acabar com o problema da clandestinidade, da hipocrisía da lei e instaurar um valor inequívoco de liberdade delegando na mulher o direito de decidir sobre si, sobre o seu corpo e sobre a sua vida. Liberdade porque a despenalização não vai obrigar nenhuma mulher a recorrer à IVG permitindo assim o direito e a liberdade de opção. Não quis ser exaustivo em post's porque acho que “branco é, galinha o põe” e é perfeitamente evidente que só a despenalização pode resolver o que a lei actual, este governo e os anteriores ou os acérrimos defensores do NÃO foram incapazes ou não tiveram vontade de resolver até agora, como o recurso à clandestinidade, as mortes, os traumas psicológicos, as mazelas no aparelho reprodutivo causados pelo “vão de escada”, a humilhação da mulher perante a sociedade ou o previlégio de uma classe rica com dinheiro para se deslocar ao estrangeiro e abortar sigilosamente em contra-ponto com a descriminação das mulheres mais desfavorecidas que se deslocam... à clandestinidade.

Desde sempre que sou totalmente contra este referendo, esta é uma questão de lei e consciência, pela lei devem responder os governos e os deputados, pois é para isso que são eleitos, pela consciência deve responder cada um.

O Referendo serviu apenas para demonstrar a falta de coragem da maior parte dos nossos eleitos quando se trata de decidir sobre matérias que podem provocar perda de votos e para se gastarem milhões de euros num processo de referendo para aligeirar as responsabilidades de quem é eleito e pago para decidir (honra seja prestada aos deputados da CDU que votaram contra o referendo e defenderam a votação deste tema no parlamento).
Não utilizaram o mesmo critério quando a decisão se justificava plenamente como aconteceu por exemplo com a entrada na moeda única.

Mas o que a realidade nos oferece é a decisão atravéz do referendo, como tal, espero que este seja uma prova de participação cívica e que à terceira vez, tenhamos um referendo que seja vinculativo.
É importante que o povo português não negligencie um excelente instrumento de democracia como é a possibilidade de poder referendar e decidir sobre questões importantes para os cidadãos e para o país.

Por isso, Domingo vamos todos votar!!!

e já agora... VOTAR SIM!!!



publicado por vermelho vivo às 17:59
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo