"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008
A crise financeira simplificada

Esta chegou-me via e-mail. Não resisti a colocá-la aqui no blog com a devida vénia ao seu autor, que desconheço.

 
Então é assim:

 

Para quem não entendeu ou não sabe bem o que é ou o que gerou a crise americana, que agora se alastra a toda a velocidade pela europa, segue um breve relato económico para todos entenderem:

 

 

O Ti Jaquim tem uma tasca, na Vila Carrapato, e decide que vai vender copos "fiados" aos seus leais fregueses, quase todos bêbados, quase todos desempregados.

Porque decide vender fiado, ele acha que pode aumentar um pouquinho o preço do quartilho e do bagaço, por conta do risco. Os clientes tesos não reclamam o novo preço.

O gerente do banco do Ti Jaquim, um ousado gestor formado em universidade famosa e de muitos pergaminhos, decide que o livrinho das dívidas da tasca do Ti Jaquim constitui, afinal, um activo recebível e rentável. Vai daí, adianta dinheiro ao Ti Jaquim, aceitando o fiado dos tesos e desempregados, entre outros créditos bons, como garantia

Descobrindo a galinha dos ovos de ouro, outros gestores igualmente muito executíveis e não menos ousados agarram nesses créditos e transformam-nos em "produtos financeiros" com nomes indecifráveis para o comum dos mortais, CDB, CDO, CCD, UTI, OVNI, SOS ou qualquer outro acrónimo financeiro que ninguém sabe exactamente o que quer dizer.

A partir daqui, outros bancos servem-se desses produtos financeiros desconhecidos mas aceites como bons e de cobrança garantida para através deles apoiar o mercado de capitais e sustentar mais e mais operações financeiras, fundos e derivados.

A origem de todo este movimento financeiro, todo mundo desconhece (os tais livrinhos das dívidas do Ti Jaquim).

A páginas tantas, esses derivados financeiros já estão à venda nos balcões de bancos e instituições de crédito de 73 países.


Tudo corre na perfeição até que... alguém descobre que os bêbados e desempregados da Vila Carrapato estão tesos e como tal não têm dinheiro para pagar as contas.
É assim que a tasca do Ti Jaquim vai à falência. E com ele toda a cadeia se fu...


Viu... é muito simples...!!!
 

P.S. - Quanto aos gestores extraordinários que apresentaram resultados fabulosos em poucos meses e ganharam prémios pelo excelente desempenho, saem de mansinho com indeminizações e reformas douradas, ou mais tarde encontram novos cargos como ministros ou secretários de estado das finanças ou do tesouro.



publicado por vermelho vivo às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 4 de Outubro de 2008
A campanha está em marcha...

Aproxima-se mais um Congresso do Partido Comunista Português, o XVIII. Com ele levanta-se mais uma vez - coisa habitual e que nós Comunistas, sabemos que acontece sempre nestas situações - a campanha de ataques, calúnias e mentiras, com o intuíto de denegrir e tentar criar divisões no nosso Partido.

Esta campanha começou devagarinho pela Blogosfera, cresce com o bom trabalho de parte da comunicação social ao serviço do capital (imparcial, como o atestam os factos) e vai concerteza aumentar o volume à medida que o Congresso vai ficando mais próximo.

Com a realização do Congresso, a campanha não termina. Virão então as várias vozes da comunicação social levantar as velhas questões: faltou democracia, a figura tal não esteve presente, a figura tal não se manteve na comissão política o que significa que... bem... todo aquele rol de análises e teorias baratas que servem apenas como instrumentos para tentar abater o Partido e escamotear a verdade.

Quanto ao essencial do Congresso: os temas, a sua discussão, a análise real do país, as alternativas apontadas, as conclusões, etc. provavelmente teremos... NADA na comunicação social. Tudo isto, será para a comunicação social ao serviço do poder dominante, o acessório do Congresso.

A verdade é que estes "escrevedores e oradores" não aceitam o facto de o PCP não ser o partido que eles querem que seja, mas sim, o Partido que os seus militantes decidem que é!

Que o PCP (ao contrário do que eles gostariam, para falar com a razão do seu lado) se renova permanente e efectivamente, demonstra uma profunda cultura e funcionamento democráticos, é o único Partido em Portugal que realiza o seu Congresso para análise e discussão dos verdadeiros problemas nacionais e internacionais, para análise e discussão real de teses e propostas que serão o fio condutor do Partido para o futuro, e não para fazer um imenso circo (com todo o respeito pela actividade circense exercida seriamente), onde nada se discute e nada se decide, onde se destila uma grande verborreia aparentando uma discussão real dos problemas do país, e onde para além das guerrinhas pessoais e da batalha rídicula da ocupação de poleiros que permitam o mais fácil acesso ao poder na melhor oportunidade, rigorosamente mais nada se passa. Este circo é acompanhado com uma monumental operação de marketing e colaboração da comunicação social, que tal como convém nestas coisas, trata de fazer parecer aquele circo uma coisa séria e importante.

Efectivamente, os Congressos do Partido Comunista Português não têm nada a ver com isto. Envolvem uma análise e discussão concretas e com tal profundidade democrática e abrangente, que ao longo de vários meses antes do Congresso acontecer, envolve TODOS os seus militantes - e que são umas largas dezenas de milhar - através de reuniões para divulgação, discussão e propostas de alteração das teses, eleição dos delegados, etc. Ou seja, o Congresso do PCP envolve TODOS os seus militantes desde o mais novo ao mais velho, desde o mais alto dirigente nacional até ao militante de base, todos em pé de igualdade e com os mesmos direitos de opinião e de eleição.

Tal como está escrito no documento das teses ao XVIII Congresso: “As Teses não são, nem pretendem ser, um documento acabado. A sua discussão colectiva nas organizações e a contribuição individual de cada um dos membros do Partido constituem um elemento essencial para o seu enriquecimento e aperfeiçoamento."

Mas... esta discussão é feita apenas entre os seus militantes e no seio dos seus vários órgãos e organizações, como é óbvio. Infelizmente para muitos destes críticos, o PCP não permite aos militantes de outros partidos que decidam sobre o seu futuro, nem está aberto às suas propostas de transformar o PCP em "apenas mais um" partido subjugado e resignado à democracia subserviente ao capitalismo.

Estes detractores do PCP, muitos deles assalariados ao serviço do poder dominante, outros por anti-comunismo primário, outros ainda, porque pensam que é no combate sistemático ao PCP que angariam votos à esquerda para a construção da sua esquerda mais moderna (segundo afirmam) e europeista, pretendiam que o Congresso do PCP fosse também um grande circo.

Assim, e voltando à vaca fria, temos já os primeiros acordes da tal música habitual.

Depois de ter lido já alguns artigos na blogosfera que me fizeram rir devido à incapacidade e, ou distorção premeditada da análise de um documento que pretende servir de base a uma discussão profunda e objectiva como é o caso "Projecto de Teses do XVIII Congresso do PCP", para além de muitos outros escritos que não li porque não vi ou nem justificavam o tempo da leitura, eis que o jornal oficial de sanae, ou se quisermos, a voz dos "escolhidos" e pagos por Belmiro de Azevedo, mais conhecido na comunicação social como "Público", também já abriu a sua secção oficial de "contra o PCP marchar, marchar!" Perdão... escrever, escrever!

Primeiro foi a falsidade da notícia do abandono de Agostinho Lopes da Comissão Política. Esta MENTIRA foi imediatamente desmentida através desta nota do PCP repondo assim a verdade real e não a verdade que o órgão da sonae queria que fosse real.

Como não esta não pegou, volta hoje à carga com mais do mesmo: O abandono de Henrique de Sousa.

Acontece que Henrique de Sousa é um "insatisfeito" antigo e que, seguindo as suas opções, o PCP seria hoje uma uma espécie de social-democracia com ideias (atenção que eu não escrevi ideais!), plenamente convergentes com a ideologia dominante. Provavelmente já nem se chamaria PCP mas talvez... Renovação Comunista, ou... Esquerda Portuguesa... ou coisa do género. A sua sigla, provavelmente já não seria a foice e o martelo, tal como a sua cor já não seria o vermelho mas sim uma cor mais... rosada talvez.

Ao contrário do que pretende fazer passar Henrique de Sousa, o seu desencanto não são as teses ao Congresso, mas sim a constatação de que o Partido continua a ser o Partido Comunista Português, firme na sua identidade  e na matriz de Partido da Classe Trabalhadora, fiel aos ideais de construção de uma sociedade socialista, firme na sua ideologia de base Marxista-Leninista.

Assim é há 88 anos, e assim continuará a ser o Partido Comunista Português.

Claro que isto é o contrário do que pretendia Henrique de Sousa. Assim sendo, e não estando disponível para respeitar democraticamente a vontade maioritária dos seus companheiros e também militantes, sobre as orientações do Partido, faz bem em abandonar.

Já vimos demasiados filmes do género para que ainda possamos dar importância a este. Henrique de Sousa, pode poupar o seu tempo e as suas palavras porque as Zitas Seabras, os Vitais Moreiras, os Josés Luís Judas, os Josés Magalhães e muitos outros já disseram e explicaram através das opções que seguiram tudo o que havia para dizer, escrever ou explicar.

Aliás, a desonestidade política de Henrique de Sousa, demonstra-se no facto de o jornal ter tido acesso à carta enviada à direcção do Partido (enviada por ele, como é óbvio). Por este acto se verifica o que pretende este senhor.

Para o jornal da sonae, esta notícia é digna de uma página quase inteira. Veremos se a realização do Congresso ou a divulgação das tais teses que causam tanto incómodo a alguns, terão direito a tanto espaço neste jornal.

 

Mas isto é a habitual destilação de ódio ao PCP. Como tal, vamo-nos habituando porque a procissão ainda só saíu do adro.



publicado por vermelho vivo às 12:49
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo