"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Segunda-feira, 31 de Outubro de 2011
"Trastes"... e outros "palermas"

Lá voltaremos aos "trastes". Sim, que neste governo são às mãos cheias. Mas para já fico-me pelos "palermas", espécies da mesma família dos "trastes". São um pouco menos activos mas tão irresponsáveis e tão delirantes como os outros.

O nosso ilustre e iluminado secretário de Estado da Juventude e do Desporto, Alexandre Miguel Mestre, encontrou o caminho para combater do desemprego nos jovens.

Então aconselha ele: «Se estamos no desemprego, temos de sair da zona de conforto e ir para além das nossas fronteiras». Ou seja: se estão desempregados, a solução é emigrarem.

Palavras para quê? Provavelmente, nem Salazar se lembraria de melhor.

 

Sem esquecer que estamos a falar de jovens e que este "palerma" é secretário de estado de um governo que decidiu recentemente aumentar o horário de trabalho em 2,5 horas semanais para que o país possa produzir mais.

 

Esta gente saberá o que saliva pela boca fora? Ou alguém será capaz de descodificar este chorrilho de asneiras e mentiras a que assistimos diáriamente?

 

Como dizemos aqui na "província": Mas que putas de "peças" nos calharam em sorte! Ou talvez: que os portugueses escolheram para os governar.



publicado por vermelho vivo às 19:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 30 de Outubro de 2011
Porque hoje é Domingo...

"Um dos mais conhecidos poemas de Ary e seguramente dos mais queridos dos militantes do PCP, A Bandeira foi escrito em condições que merecem ser recordadas.


Na segunda-feira, 11 de Agosto de 1975 o Centro de Trabalho do PCP em Braga foi destruído e incendiado após um ataque comandado por um grupo operacional do ELP, como mais tarde veio a ser revelado por numerosas investigações e directamente reconhecido por alguns dos membros do comando directamente envolvidos.

O «Avante!» enviara no fim de semana anterior para Braga um seu colaborador fotógrafo, uma vez que corriam insistentes boatos de incidentes em Braga na segunda-feira por (como sucedeu em diversos outros actos terroristas) ser dia de feira. Tendo resolvido pernoitar no Porto, o repórter chegou a Braga a meio da manhã verificando então que os provocadores haviam já desencadeado as agressões e que o Centro de Trabalho (onde se encontravam numerosos militantes) estava já cercado.

Apedrejamentos e tentativas de fogo posto sucederam-se ao longo do dia, tendo – de forma equívoca nunca inteiramente esclarecida – os defensores do Centro acabado por ser retirados por uma força militar que deixou o edifício entregue aos fascistas que completamente o destruíram e incendiaram.

Tomado pelos provocadores como um repórter que lhes era favorável, o fotógrafo do «Avante!» pôde assim obter ao longo do dia as mais extraordinárias imagens da violência fascista à solta, muitas das quais foram publicadas na edição seguinte do «Avante!», a 14 de Agosto.

Para essa mesma quinta-feira, a Direcção da Organização Regional de Lisboa convocara para o hoje Pavilhão Carlos Lopes um comício de solidariedade com os camaradas das organizações atingidas pelo terrorismo e de exigência de medidas de salvaguarda da ordem democrática.

Na redacção do «Avante!» decidimos montar num dos átrios do Pavilhão uma exposição com ampliações das fotos de Braga, de que só uma pequena parte havia sido publicada no jornal. Feitas as ampliações, colocou-se o problema das legendas – que acabou a ser um duplo problema...

A questão era que as imagens tinham uma força tal que qualquer palavra, qualquer frase parecia estar ali a mais. Contudo...

Lembrámo-nos então, telefonou-se ao Zé Carlos para a Espiral, agência de publicidade onde trabalhava, e dissemos-lhe do problema: «Não serias capaz de fazer aí qualquer coisa, uns versos com força, isto não há legendas que resolvam isto...». «Esperem lá um bocado que eu já ligo.»

Meia hora depois o telefone tocava e ouvia-se o vozeirão do outro lado: «Então vejam lá se esta coisa serve.»

Era A Bandeira Comunista. Copiada ao telefone, dactilografada e ampliada, iniciou nessa noite de luta um caminho que não findou jamais."

 

Retirado de: http://www.pcp.pt/actpol/temas/f-avante/festa2003/bandeira-comunista.htm
 
 
A BANDEIRA COMUNISTA
 

                      Foi como se não bastasse

                      tudo quanto nos fizeram

                      como se não lhes chegasse

                      todo o sangue que beberam

                      como se o ódio fartasse

                      apenas os que sofreram

                      como se a luta de classe

                      não fosse dos que a moveram.

 

                      Foi como se as mãos partidas

                      ou as unhas arrancadas

                      fossem outras tantas vidas

                      outra vez incendiadas.

 

                      À voz de anticomunista

                      o patrão surgiu de novo

                      e com a miséria à vista

                      tentou dividir o povo.

 

                      E falou à multidão

                      tal como estava previsto

                      usando sem ter razão

                      a falsa ideia de Cristo.

 

                      Pois quando o povo é cristão

                      também luta a nosso lado

                      nós repartimos o pão

                      não temos o pão guardado.

 

                      Por isso quando os burgueses

                      nos quiserem destruir

                      encontram os portugueses

                      que souberam resistir.

 

                      E a cada novo assalto

                      cada escalada fascista

                      subirá sempre mais alto

                      a Bandeira Comunista.

  

 José Carlos Ary dos Santos



publicado por vermelho vivo às 14:44
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 25 de Outubro de 2011
Continuando a falar de "trastes"

 

Esta foi surripada no O Castendo



publicado por vermelho vivo às 22:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 24 de Outubro de 2011
E preciso ter lata!

É preciso ter um poder de encaixe muito grande para conseguir encaixar a frase que este "parvalhão", que não tem outro nome, produziu.

 

Miguel Macedo, aqui de há uns dias atrás, em Portalegre, foi protagonista de um episódio que por si só define o seu carácter, ou a falta dele. Resolveu dar uma grande seca aos militares da GNR que prestavam o seu “compromisso de honra” e se encontravam em formatura, debaixo de um sol abrasador. Ao longo de uma hora de seca à espera de sua excelência o sr. ministro, alguns desses militares tiveram que ser auxiliados por enfermeiros e outros chegaram mesmo a desmaiar. O que levou alguns familiares e amigos dos militares a vaiarem sua excelência quando este chegou. O mais extraordinário deste episódio é que enquanto os militares tombavam devido ao calor, Miguel Macedo, banqueteava-se no restaurante mais caro e luxuosa de Portalegre, o "Tomba-Lobos". Sim porque sua excelência o sr. ministro não almoça em qualquer restaurante nem almoça apressadamente. Claro que quem paga as mordomias do sr. ministro é aqui o Zé Fabiano, quem tomba para o lado são os súbditos de sua excelência o sr. ministro.

 

Mas qual não é o meu espanto quando leio hoje nas notícias esta declaração de Miguel Macedo. Esta frase lapidar, que deve passar a constar de todos os manuais da hipócrisia.

Disse então o "traste": "Por decisão pessoal minha, amanhã mesmo, vou formalizar a renúncia a este direito que a lei me dá".

Ora este... esqueceu-se de dizer que a "por decisão pessoal minha", foi tomada depois de todo o ruído que se fez à volta do subsídio de alojamento que recebe para cobrir os seus gastos durante a estadia na capital, onde... tem casa própria.

Este "traste" esqueceu-se de dizer que a "por decisão pessoal minha", foi tomada depois de ter ROUBADO mensalmente e ao longo de 4 meses os cofres públicos em 1.400 euros.

Então, porque não foi "por decisão pessoal sua" que renunciou ao subsídio logo que tomou posse?

 

E vem este "traste" dizer que renuncia "a um direito que a lei me dá"???

E o direito dos trabalhadores e do povo a terem uma vida digna??? Alguém lhes perguntou se querem renunciar a esse direito?

E o ROUBO de parte do meu subsídio de Natal??? Alguém me perguntou se eu renunciava a esse direito?

E o direito ao subsidio de férias e de natal dos funcionários públicos??? Alguém lhes perguntou se querem renunciar a esse direito?

 

..."a um direito que a lei me dá"??? 1.400 euros de súbsídio com casa em Lisboa??? e vêm falar de sacrifícios? de déficie? de dívida pública? de aumento de impostos? de cortes nos apoios sociais? cortes na educação? aumento das taxas moderadoras? cortes no pagamento de subsídios de férias e natal?...

Em que reino é que este "parvalhão" pensa que vive?

 

Este "traste" devia sim, se tivesse um pingo de vergonha na cara como é óbvio, pedir desculpa aos portugueses pelo ROUBO efectuado aos seus impostos durante 4 meses. E depois, demitir-se. Assumindo que o seu caráter, ou a falta dele, não lhe permite pensar tanto no país, mas mais nos seus interesses pessoais, na sua vaidade e nas suas mordomias.

 

PS: Sei que os adjectivos utilizados são um pouco violentos e pouco respeitosos, mas não esperem de mim qualquer respeito por gente desta. É gente rasca, sem carácter, e para mal dos meus pecados (e da maioria dos portugueses), são "trastes" como este que governam este país.



publicado por vermelho vivo às 21:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 23 de Outubro de 2011
As indesmentíveis OPÇÕES POLÍTICAS DE CLASSE deste governo PSD/CDS

 

"Mais 7.000 milhões de euros de riqueza para os patrões, nada para os trabalhadores, corte de 1.682 milhões de euros no rendimento dos pensionistas e de 952 milhões de euros aos trabalhadores da função pública, mas os rendimentos do capital continuam a ser poupados aos sacrifícios: eis o que Passos Coelho anunciou."

 

O AUMENTO DE MEIA HORA NO HORÁRIO DE TRABALHO DIÁRIO DÁ POR ANO AOS PATRÕES MAIS 7.002 MILHÕES DE EUROS DE RIQUEZA

Se dividirmos o valor do PIB previsto pelo INE para 2011 (171.320,6 milhões de euros) pela população empregada (4.893.000 portugueses no 2º trimestre de 2011, segundo o INE) obtém-se 35.013 €/ano por empregado. Dividindo este valor pelo número médio anual de horas de trabalho, obtém-se 19 €/PIB/por hora. Se multiplicarmos este valor pelo número médio de dias de trabalho por ano, e depois por meia hora dia e, seguidamente, pelo número de trabalhadores por conta de outrém (3.200.000 sem incluir os trabalhadores da Função Pública) obtém-se 7.002.681.382 euros. É ainda mais que a redução prevista pelo governo na Taxa Social Única paga pelos patrões. É esta gigantesca riqueza que o governo PSD/CDS pretende dar de mão beijada aos patrões.

Tudo para os patrões, nada para os trabalhadores produtores de riqueza: este é o lema do governo PSD/CDS.

 

Eugénio Rosa, in: infoalternativa.org



publicado por vermelho vivo às 19:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011
Contra o pacto de agressão

 

Desfile de indignação e protesto, convocado pelo PCP

 «Contra o Pacto de Agressão - Lutar por um Portugal com futuro»

 

 

 

A LUTA VAI SER DURA, MAS CONTEM COM O

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS!

 



publicado por vermelho vivo às 00:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2011
O Silva das vacas

Algumas das reminiscências da minha escola primária têm a ver com vacas. Porque a D.ª Albertina, a professora, uma mulher escalavrada e seca, mais mirrada que uva-passa, tinha um inexplicável fascínio por vacas. Primavera e vacas. De forma que, ora mandava fazer redacções sobre a primavera, ora se fixava na temática da vaca. A vaca era, assim, um assunto predilecto e de desenvolvimento obrigatório, o que, pela sua recorrência, se tornava insuportavelmente repetitivo. Um dia, o Zeca da Maria “gorda”, farto de escrever que a vaca era um mamífero vertebrado, quadrúpede ruminante e muito amigo do homem a quem ajudava no trabalho e a quem fornecia leite e carne, blá, blá, blá, decidiu, num verdadeiro impulso de rebelião criativa, explicar a coisa de outra forma. E, se bem me lembro ainda, escreveu mais ou menos isto:

“A vaca, tal como alguns homens, tem quatro patas, duas à frente, duas atrás, duas à direita e duas à esquerda. A vaca é um animal cercado de pêlos por todos os lados, ao contrário da península que só não é cercada por um. O rabo da vaca não lhe serve para extrair o leite, mas para enxotar as moscas e espalhar a bosta. Na cabeça, a vaca tem dois cornos pequenos e lá dentro tem mioleira, que o meu pai diz que faz muito bem à inteligência e, por não comer mioleira, é que o padre é burro como um tamanco. Diz o meu pai e eu concordo, porque, na doutrina, me obriga a saber umas merdas de que não percebo nada como as bem-aventuranças. A vaca dá leite por fora e carne por dentro, embora agora as vacas já não façam tanta falta, porque foi descoberto o leite em pó. A vaca é um animal triste todo o ano, excepto no dia em que vai ao boi, disse-me o pai do Valdemar “pauzinho”, que é dono do boi onde vão todas as vacas da freguesia. Um dia perguntei ao meu pai o que era isso da vaca ir ao boi e levei logo um estalo no focinho. O meu pai também diz que a mulher do regedor é uma vaca e eu também não entendi. Mas, escarmentado, já nem lhe perguntei se ela também ia ao boi.”

Foi assim. Escusado será dizer que a D.ª Albertina, pouco dada a brincadeiras criativas, afinfou no pobre do Zeca um enxerto de porrada a sério. Mas acabou definitivamente com a vaca como tema de redacção.
Recordei-me desta história da D.ª Albertina e da vaca do Zeca da Maria “gorda”, ao ler que Cavaco Silva, presidente da República desta vacaria indígena, em visita oficial ao Açores, saiu-se a certa altura com esta pérola vacum: “Ontem eu reparava no sorriso das vacas, estavam satisfeitíssimas olhando o pasto que começava a ficar verdejante”! Este homem, que se deixou rodear, no governo, pelo que viria a ser a maior corja de gatunos que Portugal politicamente produziu; este homem, inculto e ignorante, cuja cabeça é comparada metaforicamente ao sexo dos anjos; este político manhoso que sentiu necessidade de afirmar publicamente que tem de nascer duas vezes quem seja mais honesto que ele; este “cagarola” que foi humilhado por João Jardim e ficou calado; este homem que, desgraçadamente, foi eleito presidente da República de Portugal, no momento em que a miséria e a fome grassam pelo país, em que o desemprego se torna incontrolável, em que os pobres são miseravelmente espoliados a cada dia que passa, este homem, dizia, não tem mais nada para nos mostrar senão o fascínio pelo “sorriso das vacas”, satisfeitíssimas olhando o pasto que começava a ficar verdejante”! Satisfeitíssimas, as vacas?! Logo agora, em tempos de inseminação artificial, em que as desgraçadas já nem sequer dispõem da felicidade de “ir ao boi”, ao menos uma vez cada ano!
Noticiava há dias o Expresso que, há mais ou menos um ano e aquando de uma visita a uma exploração agrícola no âmbito do Roteiro da Juventude, Cavaco se confessou “surpreendidíssimo por ver que as vacas, umas atrás das outras, se encostavam ao robô e se sentiam deliciadas enquanto ele, durante seis ou sete minutos, realizava a ordenha”! Como se fosse possível alguma vaca poder sentir-se deliciada ao passar seis ou sete minutos com um robô a espremer-lhe as tetas!!
Não sei se o fascínio de Cavaco por vacas terá ou não uma explicação freudiana. É possível. Porque este homem deve julgar-se o capataz de uma imensa vacaria, metáfora de um país chamado Portugal, onde há meia-dúzia de “vacas sagradas”, essas sim com direito a atendimento personalizado pelo “boi”, enquanto as outras são inexoravelmente “ordenhadas”! Sugadas sem piedade, até que das tetas não escorra mais nada e delas não reste senão peles penduradas, mirradas e sem proveito.
A este “Américo Tomás do século XXI” chamou um dia João Jardim, o “sr. Silva”. Depreciativamente, conforme entendimento generalizado. Creio que não. Porque este homem deveria ser simplesmente “o Silva”. O Silva das vacas. Presidente da República de Portugal. Desgraçadamente.

 

Luís Manuel Cunha, in: Jornal de Barcelos de 05 de Outubro de 2011.



publicado por vermelho vivo às 00:24
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 4 de Outubro de 2011
No lamaçal... há lama.

Que no lamaçal há lama e mais lama, todos nós sabemos. Mas nem sempre é possível assistirmos ao espectáculo desavergonhado dos habituais residentes do lamaçal a agredirem-se uns aos outros com... a lama em que chafurdam.

 

É o que está a acontecer agora. O espectáculo fica aqui em diálogo, pois torna-se muito mais fácil de interpretar:

 

Paulo Portas: "Quando vos disse há uns meses atrás que considerava uma irresponsabilidade José Sócrates ter levado a dívida nacional a um tal ponto que cada português por conta do Estado já devia 17 mil euros, também vos disse que considerava uma irresponsabilidade o Governo regional da Madeira ter levado a dívida a um tal ponto que os madeirenses, por conta do Governo regional e do seu desperdício, cada um deles já devia quase 24 mil euros".

 

Ainda Paulo Portas: "E se eu critico aquilo que os socialistas fizeram ao nível da República, não esperem de mim outra coerência que não seja a de vos dizer que é igualmente criticável aquilo que aqui foi feito pelo Governo regional. O endividamento que os socialistas deixaram na República levou Portugal à situação muito difícil de ter de pedir ajuda externa. O endividamento que o governo regional da Madeira provocou nesta região levou as instituições a pedir ajuda ao Governo da República. Estamos a falar de comportamentos que não são responsáveis".

 

Alberto João, não se ficou e retorquiu: "Eu acho que ele (o ministro dos negócios estrangeiros de Passos Coelho) é um péssimo moço de recados. Eles (Sócrates e Portas) é que são muito parecidos, eu não tenho nada a ver, nem com um, nem com o outro".

 

E passou ao contra-ataque: "O dr. Paulo Portas comprou dois submarinos cujo custo é quase a dívida directa da Madeira (cerca de 3 mil milhões de euros) pelo que não lhe acho qualquer autoridade para falar de despesa pública".

 

Ora aí está! Estás a ver ó Portas? E agora como é que definimos as diferenças entre ele e tu? Ou se quisermos, entre tu e ele.

 

O espectáculo está neste momento em stand-by mas há a curiosidade em saber se vai continuar ou não. É que ainda existe muita lama à mão de ser utilizada por ambos.



publicado por vermelho vivo às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Segunda-feira, 3 de Outubro de 2011
Os filhos do Cavaquismo

Cavaco Silva, esse fenómeno humano que "nunca tem dúvidas e raramente se engana", esse mesmo que se afirma um exemplo de isenção e honestidade, ou como ele próprio definiu lá do fundo do seu lamaçal, quero dizer: do alto da sua certeza, "para alguém ser mais honesto que eu, tem que nascer duas vezes". Duas!!!

Muita gente achou esta frase exagerada. Mas não. Ele tem toda a razão! É que ele fez a comparação com a sua realidade e aquela que o rodeia.

 

Cavaco Silva, além de ser uma figura marcante da política e da governação deste país pelo seu grande contributo na destruição do aparelho produtivo, por começar no seu consulado cavaquista a aniquilar as Pescas, a Agricultura e alguns sectores da Indústria. Ou seja: começou exactamente a aniquilação dos nossos recursos e capacidades e a entregar o dinheiro vindo de Bruxelas aos amigos, políticas estas que por consequência nos conduziram inevitávelmente até à situação actual. Mas isso pode ser lido aqui.

 

Voltando ao lodo Cavaquista... Ops!... Perdão!... Aos atributos desse fenómeno humano lá de Boliqueime. Ele não deixou só essas marcas indeléveis na sociedade portuguesa. Nãããão. Deixou muito mais que isso. Deixou-nos um legado de vigaristas, corruptos e afins. Que podem muito bem ser apelidados de seus filhos, pois nasceram, cresceram e proliferaram á sua frente, encostados a si ou na sua sombra e foram sempre seus protegidos.

 

Ainda a propósito: este fenómeno humano que "nunca tem dúvidas e raramente se engana", dizia há meia dúzia de meses (quando o governo era do PS) com a aquela sua voz cheia de responsabilidade: "Há limites para os sacrifícios que se podem exigir ao comum dos cidadãos".

Este mesmo fenómeno humano que "nunca tem dúvidas e raramente se engana", diz agora (que o governo é dos seus amigos do PSD), coisas como estas: "Portugal encontra-se numa situação de emergência económica, financeira e até social" como tal, todas as medidas tomadas pelo governo (por este, claro) tem o seu aval, pois são necessárias e inevitáveis. Pela minha parte... mais me apetece dizer: puta que pariu tal isenção.

 

Mas mais uma vez voltando ao lodo Cavaquista... Ops!... Deslizei outra vez. Perdão!...  Voltando ao legado Cavaquista. Encontrei esta foto ali no blog do Salvo-Conduto. Sinceramente, a primeira coisa que me ocorreu a cabeça, foi: olha os gajos do bando do Cavaco!...

Tive vontade de trazer para aqui a foto. Ia colocá-la só com o título e o link da origem. Mas... a foto também me trouxe a memória estas coisas e pronto. Fica a foto e a memória.

Com a devida vénia à montagem do Adriano.

 

Digam lá se não são uns ricos filhos?...

E como diria o outro:

Com um pai assim, não poderiam ser de outra maneira.

 



publicado por vermelho vivo às 19:47
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo