"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Segunda-feira, 17 de Junho de 2013
Fascismo. Cuidado eles andam por aí...

O cidadão português Carlos Costa, no dia 9 de Junho, durante as cerimónias de comemoração do Dia de Portugal (ou o dia da raça, na natureza ideológica de Cavaco), mandou Cavaco Silva trabalhar. Parece-me uma aspiração legitima. O pouco que tem para fazer como Presidente da República é cumprir e fazer cumprir a Constituição. Ora como sabemos, nada disto tem sido feito.

O cidadão Carlos Costa foi imediatamente preso e acusado de insultar Sua Excelência, o Sr. Presidente da República Portuguesa.

Foi levado a julgamento e condenado a pagar 1300 euros de multa.

 

O cidadão Carlos Costa nega as acusações. Admite sim ter mandado Cavaco Silva trabalhar quando o Presidente da República passou por ele, mas nega ter-lhe chamado “chulo”, “malandro” e “ladrão”.

 

Ora, as testemunhas que confirmam a acusação de insulto são duas pessoas de idoneidade inquestionável. Dois polícias à paisana!!! supostamente presentes nas ditas cerimónias.

 

Já é um avanço! Na ditadura anterior bastava a palavra de um só PIDE ou a de um "bufo" qualquer.

 

Mas... não ficamos por aqui.

 

Os criminosos da alta finança, da corrupção económica, do tráfico de influências... esses, são dificeis de apanhar, julgar, e depois... é muito dificil de conseguir provar os crimes. Talvez porque nunca têm nenhum polícia à paisana por perto, julgo eu... 

 

Quanto ao cidadão Carlos Costa, foi apresentado ao Juiz e condenado sumáriamente.

 

Entretanto, a Procuradoria-Geral da República requereu a declaração de nulidade insanável do julgamento sumário porque não é admissível no caso do crime de ofensa à honra do Presidente, o recurso a julgamentos sumários.

 

Tal como o governo não compreende para que serve a lei fundamental do país: a Constituição da República, e a considera um obstáculo aos seus intuitos, também há juizes que não comprendem que a democracia tem instrumentos e regras que não existem no modelo político em que se revêm.

 

Entretanto, o primeiro-ministro assumiu no parlamento que vai rever e tentar alterar a lei da greve...

 

Cuidado! Eles andam aí...

 

Fonte: http://www.publico.pt/sociedade/noticia/ministerio-publico-diz-que-julgamento-de-homem-que-insultou-cavaco-e-nulo-1597352



publicado por vermelho vivo às 08:05
link do post | comentar | favorito

Domingo, 16 de Junho de 2013
Ai Crato. Ai, Ai...

 

1º caso- Nessa lista constam 4 motoristas, sendo que apesar de terem sido informalmente todos propostos no mesmo dia, 3 deles têm a data oficial de nomeação a 28.06.2011, o outro tem como se pode ver no anúncio que se segue, a data de nomea...ção é 18.07.2011. Sabem porquê? Porque estava à espera de lhe ser emitida a carta de condução que acabara de tirar.
 
Entretanto, recebi um mail que informava que o rapaz de 21 anos e de origem brasileira tem uma longa experiência em carrinhos automáticos e que foi proposto por um emissário do Paulo Portas, o qual tinha muito boas referências do rapaz desde que frequentou um ginásio com massagens, ou seja, SPA. Com tantos motoristas do extinto ministério da cultura e de outros organismos públicos na situação de mobilidade, só sendo muito bom é que este lhes tirou a condução.
Motorista - André Viola  2011-07-18
Cargo: Motorista
Nome: André Wilson da Luz Viola
Idade: 21 Anos
 
 
 


publicado por vermelho vivo às 23:58
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 13 de Junho de 2013
Álvaro Cunhal

 

"A vida, o pensamento e a luta de Álvaro Cunhal justificam a homenagem que lhe  prestamos.
 
Uma homenagem ao homem, ao político, ao intelectual e ao artista que, neste  momento de inquietantes fenómenos de regressão social e retrocesso  civilizacional, mas também de abuso de poder, tanto mais se justifica para  demonstrar que os políticos não são todos iguais e que a actividade política  pode e deve ser uma actividade nobre.
 
Num momento em que o capitalismo está mergulhado numa das mais profundas  crises da sua história, em que no nosso país a austeridade imposta pelo grande  poder económico e pela troika se acentua, e se afirma a necessidade de encontrar  os caminhos do progresso e da justiça social, a luta, a obra e o pensamento de  Álvaro Cunhal projectam-se como contributos inestimáveis para a conquista de um  futuro que tenha como referência os valores de Abril – os valores da liberdade,  da democracia, do desenvolvimento económico, da justiça social e da  independência nacional.
 
Álvaro Cunhal morreu aos 92 anos em 13 de Junho de 2005 e o seu funeral, nesta cidade de Lisboa, com a participação de centenas de milhar de pessoas, foi bem a demonstração do reconhecimento dos trabalhadores, do povo de Lisboa e do país a esse homem de cultura integral, intrépido revolucionário de uma vida vivida de cabeça erguida, feita de verticalidade e coerência na busca incessante dos caminhos da vitória sobre a injustiça e as desigualdades e a construção de um mundo mais justo, livre e fraterno."
 
Excerto da intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral do PCP, na inauguração da Avenida Álvaro Cunhal em Lisboa
 


publicado por vermelho vivo às 18:55
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 12 de Junho de 2013
O 10 de Junho

 

Sem tirar nem pôr...

Crónica de Baptista Bastos hoje no "Diário de Notícias"                  

 

B lábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblábláblábláblá A magistratura presidencial destina-se a manter a coesão nacional blá blábláblblábláblábláblábláblblá-blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblá Não governo nem sou corresponsável pela política do Governobláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblá A agricultura nunca esteve tão bem como nos últimos anos blábláblábláblábláblábláblá- blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblá Chego sempre à mesma conclusão: se tivermos uma crise política, os portugueses ficariam muito pior blábláblábláblá.

Bláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblá Estou acima das lutas político-partidárias bláblá- blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblábláblábláblá No meu horizonte não está a demissão do actual Governo, pelo menos durante a vigência do programa de assistência financeira blábláblábláblábláblábláblábláblábláblá-bláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblábláblá O relançamento da economia será possível com a expansão do investimento privado e o financiamento às empresas bláblábláblábláblábláblá- blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblábláblá-bláblá A demissão do Governo não deve ser feita de ânimo leve. Só em ocasiões muito especiais. Nem mesmo numa situação em que o Presidente perde a confiança no Governo bláblá lábláblábláblá blábláblábláblá- blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblá Não comento as declarações do senhor Presidente da República; isso compete aos comentadores blabláblábláblábláblábláblblá- blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblábláblá-bláblábláblá Não percebo muito bem o discurso do senhor Presidente. Nem uma só vez se referiu ao desemprego em Portugal bláblábláblá blábláblábláblábláblábláblábláblábláblá- bláblábláblábláblábláblábláblálábláblá-bláblá Aquilo que preocupa os portugueses. Que é a crise, os problemas que os afectam, desemprego, recessão, não tiveram eco, de facto, neste discurso blábláblábláblábláblábláblá- blábláblábláblábláblábláblábláblá-bláblábláblábláblábláblábláblá O senhor Presidente da República teve um discurso muito responsável, muito galvanizador. Foi um Presidente da República da esperança bláblábláblá blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblá O Presidente da República saberá, com certeza, os temas que escolhe. Aquilo que nos parece é que faz sentido falar da agricultura, que é um tema muito importante blábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblábláblábláblá-blábláblábláblábláblá Gatunos! Gatunos! Gatunos! Demissão! Demissão! Gosto muito de paradas militares. Por isso cá estou. Mas que estão a fazer aqui estes gajos do Governo, que só têm dado cabo do país? (...) Nobre povo, nação valente (...) Às armas! Às armas!

 


publicado por vermelho vivo às 12:37
link do post | comentar | favorito

semelhanças...

 

O ministro da propaganda de Saddam Hussein diria:

"Apesar da total desvastação e destruição material do país, dos milhares de mortos que incluem centenas de crianças e idosos, apesar de grande parte dos edificios na capital se encontrarem em chamas e a guerra pender para o nosso inimigo, posso-vos assegurar que está tudo bem e não há motivos para pânico." 

 

 

Apesar dos 1.500.000 desempregados, de milhares de portugueses serem obrigados a emigrar por falta de soluções no seu país;

de milhares de famílias viverem neste momento em clara agonia;

de centenas de pensionistas já não levantarem as suas receitas nas farmácias por falta de meios;

de a pobreza estar em clara expansão;

de milhares de alunos estarem a abdicar do seu direito ao saber abandonando os estudos superiores por falta de condições financeiras;

de outros milhares de crianças terem como única refeição decente aquela que fazem nas cantinas da escola, caso essa não existisse não fariam nenhuma.

Apesar de grande parte da classe média estar a ser dizimada e transformada em novos pobres;

de o número pessoas e familias que recorrem aos centros de apoio alimentar e social aumentarem todos os dias;

apesar de Portugal ser neste momento o país mais desigual da zona euro com um enorme fosso entre os mais ricos e os mais pobres:

Apesar de a contestação a esta política e este governo estar acentuadamente a subir de tom em todos os sectores da sociedade;

Cavaco Silva considera que "a coesão nacional se mantém e que não há desestruturação social no nosso país".

 

Mas então o que é a desestruturação social?

 

Talvez por isso, esta cavacal figura me traga à memória o ministro da propaganda de Saddam Hussein.

 

Cavaco tenta desta forma justificar o seu inequívoco apoio e concordância com as políticas seguidas por este governo, a sua incapacidade de colocar Portugal à frente dos seus interesses ideológicos e agir perante a situação mais grave que Portugal atravessa desde que existe democracia.



publicado por vermelho vivo às 08:52
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 11 de Junho de 2013
Vasco Gonçalves

 

Porque há grandes Homens que marcam a História de forma indelével!

 

Porque há Homens de quem os trabalhadores e o povo não se esquecem!

 



publicado por vermelho vivo às 08:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 9 de Junho de 2013
Porque hoje é Domingo...

A coisa dava para mais umas semanas, pois eles são tantos... Pedro Passos Coelho a Tecniforma e o seu percurso misterioso pelas empresas de Ângelo Correia, Portas e os submarinos, as fotocópias, o financiamento do CDS-PP pelo Jacinto Capelo Rego e o partido do contribuinte, Catroga e o memorando, a EDP e a proveniência de rendimentos, os Ricardos Salgados, Ulrich's, Soares dos Santos, Jerónimos Martins, o Relvas e... chega! Esta "corja" enoja-me e já não há pachorra para mais.

Por isso, depois de uma semana a falar de pulhas, mentirosos, figurões e afins,

e porque hoje é Domingo...

Nada melhor que "Os vampiros" de Zeca Afonso.

Porque é uma canção a preceito visto que, afinal, são eles que comem tudo...

Porque Zeca merece ser lembrado e homenageado todos os dias.

 

 

"... ainda hoje a canção faz sentido. Haverá sempre quem queira sugar e quem é sugado... e acabar com uns e fazer com que os outros possam viver livremente é um compromisso que o Zeca nos obriga a ter para a vida."

 

"Os vampiros é uma canção brutal. É chamar os bois pelos nomes."

 

"...é um incitamento, é uma declaração do estado em que o país estava."

 

 



publicado por vermelho vivo às 09:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 8 de Junho de 2013
e... figurões

Por respeito ao cargo institucional de Presidente da República, alterei o título do "post" e não vou alongar-me nas considerações sobre este figurão, que ocupa actualmente o Palácio de Belém e que, sinceramente, considero repugnante. Até porque me obrigaria falar sobre a Quinta da Coelha, do sorriso das vacas, das intervenções da Nossa Senhora de Fátima sobre a troika... Mas uma exposição de algumas imagens diz quase tudo.

 

 

P.S. - Sou dos pensam que Miguel Sousa Tavares devia pedir desculpa aos verdadeiros palhaços deste país pela comparação com Cavaco.

Os verdadeiros palhaços, são na sua maioria, menos oportunistas, menos ignorantes e acima de tudo, têm mais carácter e são mais sérios. Merecem muito mais respeito que este figurão.

 



publicado por vermelho vivo às 11:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 6 de Junho de 2013
Pulhas, mentirosos e afins...

Os figurantes desta espécie de governo da República, são mesmo bem escolhidos.

 

Senão vejamos quem é a Secretária de Estado do Tesouro e das Finanças.

 

Em 2001, Maria Luis Albuquerque era assessora do Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças.

Entre 2001 e 2007, foi Diretora do Departamento de Gestão Financeira da REFER.

Entre 2007 e 2011 foi coordenadora do Núcleo de Emissões e Mercados do Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público.

Em Junho de 2011, Maria Luís Albuquerque toma posse como secretária de Estado do tesouro e das finanças, do governo Passos/Portas/Gaspar, passando assim a tutelar o IGCP.

 

 

Nunca esquecendo os amigos, em Novembro de 2011, produz e assina o Despacho n.º 15451/2011:


1 — Nos termos do disposto nos n.ºs 3 e 4 do artigo 2.º do Decreto-Lei n.º 262/88, de 23 de Julho, nomeio o licenciado António Hilário Tinoco de Almeida e Costa Vaz, técnico especialista da Rede Ferroviária Nacional — REFER, E. P. E., colaborador para realizar estudos no âmbito da sua especialidade.

2 — O nomeado é equiparado para efeitos de vencimento ao cargo de adjunto com despesas de representação, acrescido de 45 % deste montante, com percepção dos subsídios de férias, de Natal e de refeição.

3 — A nomeação produz efeitos a 1 de Novembro de 2011 e manter-se-á em vigor até à cessação das minhas actuais funções, podendo ser revogado a todo o tempo.

2 de Novembro de 2011. — A Secretária de Estado do Tesouro e das Finanças, Maria Luís Casanova Morgado Dias de Albuquerque.

 

Atente-se neste facto:

"equiparado para efeitos de vencimento ao cargo de adjunto com despesas de representação, acrescido de 45 % deste montante." Crise? Qual Crise?

 

Na sua "bondade" com os amigos, Maria Luis Albuquerque pretendeu ainda ir mais longe. No início deste ano, propôs Alfredo Vicente Pereira, (um ex-administrador da REFER durante o seu reinado como diretora financeira daquela empresa), para a nova administração da Parque Escolar. Esta proposta mereceu parecer negativo da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CRESAP) e a proposta caiu.

Segundo o Jornal "Expresso", este "chumbo" poderá estar relacionado com a polémica em torno dos contratos SWAPs. Mas... não só. Destaca o relatório de avaliação da CRESAP que Alfredo Vicente: “tem um percurso profissional, sobretudo a partir de 2003, muito assente na exploração de oportunidades surgidas através da sua rede de contactos pessoais, ao invés de uma decisão pessoal subordinada a uma linha de desenvolvimento da carreira”. Pois... percebemos perfeitamente... quem tem amigos...

 

Maria Luis Albuquerque considerava que este "traste" podia ter "emprego" ou "tacho" ou o que queiram chamar, na Parque Escolar.

 

Adiante...

 

 

Em Junho de 2011, o ministério das finanças recebeu um relatório que levantava o problema dos contratos SWAP. O ministério das finanças determinou a necessidade de se proceder a uma auditoria aos ditos contratos.

Mesmo assim, e com o conhecimento da situação por parte de Vitor Gaspar, o assunto manteve-se “abafado” até agosto de 2012.

 

Em Agosto de 2012 o ministério das finanças atribui a gestão destes contratos ao IGCP.

 

O IGCP (sujeito às orientações de Maria Luís Albuquerque), define quais são os SWAPs tóxicos e os… outros. Sobre os SWAPs tóxicos é iniciada uma investigação com o objectivo de perceber o contexto em que foram celebrados e apurar responsabilidades

É neste quadro que o IGCP (tutelado por Maria Luís Albuquerque), determina que os SWAPs tóxicos contratados pela REFER enquanto Maria Luis Albuquerque era sua directora financeira… não são afinal, tóxicos, mas sim... exóticos.

 

Segundo Maria Luis Albuquerque (ex-diretora financeira da REFER e actual avaliadora da toxicidade dos contratos): “Os contratos da REFER foram inteiramente adequados e transparentes”.

Pois… Nem era de esperar outro entendimento. A avaliadora Maria Luis Albuquerque, considerou que não há nada a apontar às decisões da avaliada Maria Luis Albuquerque. Perfeito!

 

A realidade incontornável e inapagável é que  a REFER começou a apostar nos contratos SWAPS em 2003, portanto, sob a direcção de Maria Luis Aluquerque. As perdas potenciais estão estimados em cerca de 40 milhões de euros!

 

Maria Luis Albuquerque continua como secretária de estado do tesouro e das finanças, recebendo a confiança e solidariedade de Vitor Gaspar que afirmou: "Assumo total responsabilidade pelos contratos da REFER."

 

Depois dizem que o país está situação que está, e a culpa é dos trabalhadores e pensionistas que para além de ganharem muito ainda vivem acima das suas possibilidades…

 

Nota de rodapé:

Em 29 de Setembro de 2012, o PCP apresentou requerimentos e perguntas ao Governo, na Assembleia da República, sobre este assunto. Não obtendo respostas, voltou a confrontar o governo a 2 de Novembro de 2012 e novamente a 14 de Janeiro de 2013.

Vá lá saber-se porquê, o Governo nunca respondeu. Nunca!

 



publicado por vermelho vivo às 23:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 5 de Junho de 2013
Pulhas, mentirosos e afins...

Este também vem da GOLDMAN SACHS...

 

 

António Borges é um ex-quadro da Goldman Sachs. Foi dirigente neste banco de investimentos entre 2000 e 2008.

 

Em 2009, António Borges causou polémica ao defender o modelo das carteiras de investimentos desreguladas - os "hedge funds" - que estiveram no centro da crise financeira e custaram muitos milhões aos contribuintes norte-americanos.

Em 2010, a polícia da bolsa dos EUA acusou o Goldman Sachs por fraude através da constituição e venda destes "hedge funds" que eram na verdade "lixo tóxico".

Marc Roche, autor do livro “O Banco - Como o Goldman Sachs dirige o mundo”, afirmou quando esteve em Portugal há cerca de um ano, que a passagem do português António Borges pela Goldman Sachs é um "mistério", tal como outros antigos "veteranos" da instituição.

Em Outubro de 2010, foi nomeado director do Departamento Europeu do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Uma das funções de António Borges na direção do FMI na Europa era a de supervisionar os planos aplicados à Grécia, Portugal e Irlanda.

 

Em Novembro de 2011, O FMI anuncia a demissão de António Borges por motivos pessoais.

Ainda segundo Marc Roche: “O FMI disse-me que se livraram dele porque não estava à altura do trabalho e agora chego a Lisboa e descubro que está à frente do processo de privatizações. Há perguntas que têm de ser feitas”.

 

 

Em Fevereiro de 2012 Passos Coelho, decide nomear António Borges para chefiar uma equipa que acompanhará junto da Troika o processo das privatizações, renegociação das PPP’s, reestruturação do sector empresarial do estado e apoio à banca.

 

Em Março de 2012, António Borges passa a integrar a administração da Jerónimo Martins, cargo que acumula com os serviços (e que serviços…) prestados ao governo de Passos Coelho.

 

Em Julho de 2012, Soares dos Santos entra no negócio das clínicas médicas, através da Sociedade Francisco Manuel dos Santos.

Poucos dias depois, a Troika aconselha o governo de Passos Coelho a privatizar a área de saúde pertencente à CGD.

 

Coincidências?...

 

 

Como director do FMI para a Europa, em 2011, António Borges ganhou cerca de 306 mil dólares (quase 225 mil euros ao câmbio da altura) isentos de impostos, porque tinha, como todos os funcionários do FMI, um estatuto de funcionário de organização internacional (semelhante àquele de que beneficiam os funcionários das Nações Unidas), o que implica o pagamento de salário líquido.

 

 

Os serviços de consultoria prestados ao estado português por António Borges entre Fevereiro de 2012 e Fevereiro de 2013, custaram à Parpública (empresa pública) 300 mil euros, adicionados de IVA e despesas “indispensáveis para a concretização do trabalho e previamente autorizadas”. Ou seja: os contribuintes pagam...

 

Depois dizem que não há dinheiro para salários…

 



publicado por vermelho vivo às 21:34
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo