"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007
O Caminho das Aves

"Este romance é uma homenagem a todos os homens e mulheres que lutaram contra o fascismo – aos que essa a luta dedicaram as suas vidas e, em muitos casos, as perderam; aos que, vencidos num momento pela brutalidade pidesca, retomaram a luta; aos que, ainda esporadicamente, juntaram a sua a outras vozes no combate à ditadura.

Constituiria um exercício inútil procurar identificar qualquer dos personagens deste romance com qualquer personagem real. No entanto, o Autor sentir-se-á gratificado se os lutadores antifascistas que o lerem nele puderem rever-se através da memória."

José Casanova

 

 

O romance O caminho das Aves, de José Casanova, descreve-nos através de uma escrita simples mas ilucidativa e profunda, o duro caminho percorrido por milhares de portugueses que, convictos do seu ideal de liberdade e solidariedade correram todos os riscos e se entregaram à luta corajosamente de forma apaixonada e alegre.

 

“... A greve foi em cheio, parou tudo, até o comércio, só ficou uma mercearia aberta, a guarda prendeu quatro camaradas, a população cercou o posto e libertou-os e prendeu os guardas, a malta cortou os fios do telefone e a aldeia foi nossa durante 2 dias, até houve quem começasse a planear a distribuição de terras – acrescenta Pires. Depois os gajos vieram em força e começaram a prender toda a gente que apanhavam, levaram mais de duzentas pessoas, a malta entrava para os carros prisionais a gritar viva a liberdade, abaixo o fascismo... Andam por aí muitos camaradas fugidos.
Faz uma pausa e acrescenta: A gente aqui viu um bocadinho do futuro, Francisco, e é bonito.
Informa Pires: Em Montemor houve uma concentração em frente à Câmara e o Vacas chamou a guarda e mandou disparar, mataram um trabalhador, o funeral é amanhã.
Quem é o Vacas?
É o presidente da Câmara.
Rui explica-lhe agora, o plano que tem para essa madrugada:
Vamos fazer inscrições nas paredes, para os gajos verem que, por muitos que prendam, há sempre quem continue a luta... Despede-se dos amigos, está o sol a nascer, e parte na direcção de Montemor. ...
... Os camaradas estão ali – prossegue a rapariga, apontando para o centro da vila – O funeral vem de Vendas Novas  acompanhadopor dez jipes da guarda.
Vamos andando para o cemitério – diz alguém. Num muro comprido, caiado de branco, lê-se: «Morte aos assassinos de José Adelino Santos.»
Junto ao cemitério estão agora mais de mil pessoas, é uma multidão compacta, em profundo silêncio. Chegam os primeiros jipes, logo atrás vem o carro funerário, depois mais jipes. Um cordão de guardas barra o acesso ao cemitério. Ninguém pode entrar – grita um graduado. A multidão de homens e mulheres avança em silêncio, as mulheres à frente. Ninguém pode entrar – repete o capitão em tom de ameaça. A multidão continua a avançar, mulheres e homens, de rostos fechados, em silêncio, rompem o cordão e entram no cemitério. ...”

 

...À sua frente está agora o polícia da voz vinda de longe. Tem nos lábios um sorriso escarninho.
Acende um cigarro e, lentamente, aproxima a ponta acesa do rosto do preso que recua um passo e cai. O polícia puxa uma fumaça, debruça-se e atira-lhe o fumo para os olhos.
Tenta desesperadamente trazer à memória os rostos dos amigos...
O polícia repete a operação, desta vez virando a ponta acesa do cigarro na direcção do peito nu do preso. A voz do polícia está agora muito perto: Tens apenas duas hipóteses, rapaz, ou falas, ou sofres, ou falas, ou morres.
Pelos olhos de Francisco passa um brilho vivo e, sem se aperceber, sorri.
De súbito, os mesmos dois polícias erguem-no e imobilizam-no. No mesmo instante, sente no peito, uma dor lancinante, como se uma agulha grossa lhe entrasse no corpo e, lá dentro se fragmentasse em milhares de finíssimas lâminas, que lhe dilaceram os músculos, que lhe rasgam a carne e lhe sacodem o corpo em tremores compulsivos. Solta um urro monstruoso, liberta-se do braço e atira-se ao polícia, uma cabeçada a que o outro se furta facilmente...”

Excerto de O Caminho das Aves


O romance O caminho das Aves, é um extraordinário documento sobre a luta que conduziu ao derrube do regime fascista e que nos permite hoje viver em liberdade, mas é também, e acima de tudo, um hino ao valor da amizade e da camaradagem e à solidariedade e fraternidade indissossiáveis destes valores.

 

“Magro, pálido, com um ar sofredor, contudo mantendo o habitual sorriso fraterno: é Mário, acabado de sair da prisão. As cicatrizes nos pulsos, que ele não esconde, atraem a atenção de Francisco. Fui cobarde, estive quase a falar, valeu-me, no último momento, ter-me lembrado dos amigos.
Francisco prende-lhe os braços, numa carícia leve passa as mãos pelos pulsos do amigo.
O outro prossegue: Não seria capaz de voltar a falar-te se tivesse traído... Mas fui cobarde... Francisco abana a cabeça, enquanto o outro continua: Apesar disso, toda a gente me tratou como se fosse um heroi. E foste. Tu não sabes. Sei que preferiste morrer a trair os teus amigos.
Foi um momento de fraqueza, de vacilação.
De coragem, de grande coragem.
Dizes isso porque és meu amigo.
Porque sou teu amigo, digo-te sempre o que penso.”

 

“...Vieste despedir-te de mim, aposto.
E não só – diz Francisco, apontando para o embrulho – trouxe-te uma prenda.
Posso abrir – pergunta o rapaz.
Sem esperar pela resposta, chega a chama do isqueiro ao cordel, rasga o papel que encvolve a prenda: é a fotografia do Che, corpo inteiro, boina na cabeça, mochila às costas, uma espingarda nas mãos; em baixo uma frase extraída de um dos seus discursos: «Toda a nação é um grito de guerra contra o imperialismo e um clamor pela unidade dos povos contra o maior inimigo do género humano: o imperialismo americano.»
Com os olhos muito brilhantes obriga Francisco a levantar-se, dá-lhe um abraço prolongado e sufocante, depois, abanando a cabeça e limpando os olhos, murmura: Só tu, tu és único – e, perante a ironia que vê nos olhos de Francisco, acrescenta: O Vasco tem razão, és único. Ele também é, e tu.
Quando regressares, possivelmente... Não me encontrarás – diz Francisco, em voz baixa.
...Na manhã seguinte, na obra, Eloi entregar-lhe-á uma carta de pedro: «Meu querido amigo Francisco, meu muito querido amigo, escrevo-te momentos após a tua saída de minha casa e a poucos minutos da minha partida. A ideia de que, quando regressar, não te encontrarei, esmaga-me de tristeza e alegria. Um dia, não sei quando, encontrar-nos-emos. Numa qualquer divisão da nossa casa grande da amizade. Até lá, guardarei o poster do Che e tentarei seguir o seu exemplo de coragem, de coerência, de dignidade.»”

Excerto de O Caminho das Aves

 

A amizade é um sentimento tão forte e tão belo que ultrapassa qualquer definição que dela possamos querer fazer.

Tal como nos diz, e prova, o autor várias vezes ao longo do romance, A AMIZADE É TUDO!

 

São estes valores de amizade e camaradagem, em simultâneo com uma força inquebrantável dos ideais de liberdade, justiça, igualdade que percorrem todo o romance de uma forma convicta e contagiante não nos permitindo ficar indiferentes ao desenrolar dos acontecimentos. Antes, e não poucas vezes, apetece-nos encarnar nos personagens e sermos nós a ocupar os seus lugares. E sem que disso demos por ela, estamos a viver intensamente as alegrias, a luta e as revoltas do Francisco, do Eugénio, do Vasco, do Albano, da Marta...

São estes valores de amizade e camaradagem, estes ideais de luta por uma sociedade e um mundo melhor que, hoje como ontem, são o caminho para alcançar uma sociedade mais justa e mais fraterna.

O Autor, José Casanova, escreveu que: “...o Autor sentir-se-á gratificado se os lutadores antifascistas que o lerem nele puderem rever-se através da memória.”

Não estando eu entre os citados, não tenho dúvidas que tal aconteceu. Que aqueles que travaram a luta de resistência contra o fascismo, não só se reviram como se sentiram homenageados ao ler o livro.

O Caminho das Aves é também uma grande lição de humanismo e de como a riqueza maior é efectivamente a amizade e a certeza dos ideais assumidos.

Um romance extraordinário, bonito, profundo. Talvez o melhor romance que li nos últimos anos.

Lamentavelmente, li-o apenas 5 anos depois da sua edição. Considero-o IMPERDÍVEL para quem ainda não o leu.

 

Uma nota ao autor: Só é possivel a alguém escrever uma obra tão bela e transmitir um sentimento tão forte, comungando profundamente os valores e ideais contidos no romance.
Como tal, atrevo-me a dizer que este livro foi escrito mais com o enorme coração do José Casanova que com a mão do romancista.



publicado por vermelho vivo às 23:51
link do post | comentar | favorito

5 comentários:
De gr-gr a 16 de Setembro de 2007 às 16:54
Estamos perante um grande romancista.
Concordo contigo, “foi escrito com o enorme coração do José Casanova”!
Contudo, para além do coração foi também a veia do romancista (que durante muitos anos ocultou) que faz nascer assim uma escrita intensa e cheia de emoção.
Só quem viveu os momentos difíceis sacrificando-se por um ideal, lutando e em silêncio sem nunca falar aguentou heroicamente as bárbaras prisões fascistas.
Saber transmitir o que neste romance está escrito de forma tão intensa e com tão grande sensibilidade, é dom dos grandes romancistas.
No desenrolar da história (sem nenhum pedantismo) eu própria fui também uma das personagens do romance, tal o realismo de algumas situações.
O amor, a amizade, a solidariedade, a camaradagem, são uma constante nos romances de Casanova.
Imperdível ler os romances “O Caminho das Aves”, “Aquela Noite de Natal” e o seu último romance “O tempo das Giestas”.
Qual o melhor??? Todos admiráveis!
É uma trilogia que nos dá um retrato de um Portugal agrilhoado, do país libertado e dos múltiplos retrocessos que a nossa democracia está a passar.
É um livro que nos ensina a reforçar os laços de amizade e sobretudo a Lutar!

Uma nota para a belíssima Capa – uma pintura do conceituado pintor, Rogério Ribeiro.

GR


De vermelho vivo a 16 de Setembro de 2007 às 23:08
Cara Gr-Gr, felicito-te por seres capaz de encontrar muitas das palavras que eu, sentindo tudo o que escreveste, não encontrei para definir o romance. Tal como digo, li o Caminho das Aves, 5 anos depois da sua edição e depois de ter lido já O Tempo das Giestas (do qual publiquei um post também). Fiquei fascinado e emocionado com O Tempo das Giestas. Aí, descobri o grande romancista que é José Casanova, de quem apenas conhecia e admirava a intervenção política.
Acredita que escrevi esta opinião sobre O Caminho das Aves com alguma vergonha por só agora, passados 5 anos, ter lido um romance tão bonito e emocionante. Mas perante uma obra assim pensei que, mesmo envergonhado, tinha a obrigação de a divulgar e aconselhar.
Dois esclarecimentos:
1.º - Quando digo que é talvez o melhor romance que li nos últimos anos.
Quando li O Tempo das Giesta considerei-o tão brilhante e extraordinário que pensei para comigo: depois de ler uma obra tão apaixonante, dificilmente um romance me conseguirá satisfazer nos próximos tempos. Ao ler O Caminho das Aves, constatei que estava enganado. Não sei se a palavra “melhor” é o adjectivo apropriado, mas este romance tocou-me e emocionou-me ainda mais que O Tempo das Giestas. Perante tanta qualidade, é efectivamente dificil fazer a distinção. Como tal, a forte emoção vivida durante a leitura, pesou na análise entre os dois.
2.º - Foi escrito mais com o coração e menos com a mão.
Que José Casanova é um romancista de excelência, não é para mim um dado factor de saliência pois isso é um dado inequívoco e sem discussão. Mas mesmo sendo um excelente romancista, só com a alma se pode escrever um romance tão belo e tocante para quem o lê. Hoje, que conheço José Casanova e de quem sou amigo e camarada, sei que o que está no romance são os mesmos valores e ideais que lhe ocupam a alma.
Vou agora ler Aquela noite de Natal. Parece-me que ando ao contrário da edição. Comecei pelo último e acabo no primeiro. No entanto, e se tal achar necessário, voltarei a ler os três romances desde o primeiro até ao último com o mesmo prazer e emoção que me proporcionaram na primeira leitura.
Cumprimentos


De gr-gr a 17 de Setembro de 2007 às 01:14
Na realidade constatamos que os órgãos de comunicação social, não fazem a merecida critica, nem a publicidade aos livros, muito menos ao romancista.
Somente porque José Casanova o escritor é, o director do jornal Avante! e um comunista integro, de grande verticalidade, sempre coerente e muito corajoso.
Mas nada a que não possamos dar a volta!
O romancista José Casanova sempre que sai um novo romance e a nosso pedido, vem à minha terriola apresentá-lo.
Apesar de “O Tempo das Giestas” ter saído há muito tempo, em Julho esteva cá. Foi uma iniciativa muito bonita. O camarada Pedro Namora fez uma apreciação do livro, o Zé Casanova, prosseguiu. Falando com o seu jeito calmo e humilde, de quem muito sabe. Dá gosto ouvir.
Tentamos que os jornais locais façam publicidade (o que aconteceu) colocamos cartazes feitos por nós, enviamos convites.
Só numa noite vendemos mais de 60 livros e mais não foi, porque não tínhamos!

Vermelho vivo,
qual vergonha? Parabéns por teres lido o romance.
O importante é lê-lo e senti-lo, como só tu o sabes dizer.
Parabéns da publicidade que estás a fazer, falando dele.

Bjs,

GR


De Aristides a 16 de Setembro de 2007 às 23:04
Já li os três romances referidos de José Casanova. Achei-os todos magníficos mas, talvez cometendo um injustiça para os restantes, achei O Caminho das Aves o melhor. Não sei se foi por ter sido o primeiro que li de Casanova e ter ficado simplesmente siderado pela capacidade literária, pela fina sensibilidade ou seja lá porque foi. O que sim, sei, é que José Casanova ganhou em mim um leitor fidelíssimo. Pena que a temática lhe afunile os públicos, porque vai haver muita gente que o vai por de parte sem o ler só por ser comunista ou por os seus livros falarem da luta dos comunistas por um Mundo melhor. Paciência, perdem eles, mas ganhámos nós bons livros e sobretudo mais um Grande escritor.
Um abraço


De vermelho vivo a 16 de Setembro de 2007 às 23:28
Amigo Aristides, também temo cometer a mesma injustiça, mas o enunciado na resposta anterior esclarece a escolha. Concordo contigo quanto à constatação de que a condição de destacado dirigente comunista impede José Casanova de ser considerado pelos preconceituosos criticos e os submissos publicitários livreiros como um dos grandes escritores romancistas portugueses. No entanto, e mais importante que isso, é nós constatarmos através da leitura dos seus romances o enorme valor que ele efectivamente tem.
Um grande abraço,


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo