"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007
A Revolução de Outubro

A Revolução de Outubro, marcou de forma ímpar todas as vertentes da sociedade russa e mundial. Nas ciências, no desporto ou na tecnologia, a Revolução de Outubro foi percussora de transformações e avanços sem paralelo. Mais que isso, transformou em direitos individuais e colectivos o acesso a todas as áreas como a educação, a cultura, o conhecimento cientifico ou a fruição e criação artistica.

 

 

Na arte e na cultura:

 

“Com a Revolução Bolchevique o mundo está a mudar. A rua não é só lugar de trânsito, de negócio, é lugar de encontros, muitas vezes tumultuosos, de combate, de festa. A imagem das cidades alterou-se radicalmente. É um gigantesco poema vivo em que vivem em comum as palavras de ordem revolucionárias e as obras de arte, mesmo as mais estranhas e esteticamente mais distantes.

 

Um dos aspectos mais fascinantes desse período revolucionário reside no facto de ter mobilizado no seu movimento transformador todas as vertentes da actividade social humana, com grande destaque para o papel desempenhado pelos artistas e movimentos artísticos de vanguarda, e pela intelectualidade progressista e revolucionária.

Realizavam-se grandes espectáculos revolucionários em que todos participavam fossem artistas ou operários, músicos ou soldados, pintores ou simples moradores, actores ou camponeses. Tudo é motivo para a intervenção das artes. Comemorar a tomada do Palácio de Inverno, o 1.º de Maio, a electrificação da Rússia, o racionamento, a nacionalização dos monumentos, a chegada dos tractores ao campo são alguns dos inúmeros temas que se transformam em festa de todos os artistas e todos os géneros de arte. O mundo assiste aos primeiros grandes espectáculos ao ar livre. Às primeiras grandes exposições nas ruas. A enorme e decisiva diferença é que não são produtos para consumo mais ou menos passivo. São gigantescas manifestações em que todos acabavam, de uma ou de outra maneira, por participar unindo a vida, o trabalho, a festa e a arte.” (1)

 

Na arquitectura:

 
"Naturalmente que a arquitectura destes primeiros anos da Revolução Sovietica não escapa a este processo. E entretanto trata-se de um período de extraordinária riqueza em todos os aspectos: na ilimitada liberdade criativa e de experimentação; na intervenção concreta de um larguíssimo conjunto de excepcionais personalidades criadoras; no impacto, na mobilização e participação de muitas das mais destacadas figuras da arquitectura do primeiro quartel do século XX; na invenção de novos modelos e tipologias; no debate acerca do papel da arquitectura  e do urbanismo na sociedade; no debate acerca dos modelos e objectivos do planeamento; no debate acerca da natureza e do futuro das cidades.

No impeto criador da revolução, a arquitectura rompe amarras teóricas, estilistas e formais, apresenta propostas de enorme audácia, deseja-se parte do processo prático de construção da sociedade socialista.

É naturalmente no período pós-revolucionário que as tendências de vanguarda assumem um destacado protagonismo. A arquitectura assume para si duas tarefas: a de propor os novos espaços que as novas formas de organização social requerem (parques de cultura e lazer, anfiteatros gigantescos para realizações de massas e competições desportivas - as Outubríadas, as imensas praças para as manifestações e comemorações revolucionárias, e também as novas tipologias, as habitações colectivas, a habitação operária modelo, os clubes operários, as casas da cultura, mais tarde os palácios do trabalho,  e os modelos urbanos e a linguagem arquitectónica radicalmente nova que exprimem o rasgo e o heroísmo do novo tempo." (1)

 

"Ainda há muito para estudar e descobrir com esses anos exaltantes, em que o mundo aprendeu que pode haver outro mundo para lá deste, medíocre  e sem dignidade, que nos é vendido em pacotes embrulhados em papel de estanho para parecer de prata."

 

É óbvio que apenas se pretende fazer uma abordagem breve e resumida destes temas. Seriam necessárias muitas e longas páginas para uma abordagem concreta e esclarecedora sobre as transformações nas várias áreas, resultantes da revolução socialista de 1917.

 

Textos de apoio:
(1) - In: Caderno Vermelho, 15



publicado por vermelho vivo às 00:12
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo