"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Sábado, 15 de Dezembro de 2007
O Poeta da Revolução de Abril

 

À passagem de mais um aniversário da data de nascimento de José Carlos Ary dos Santos, lembramos o Poeta da Revolução de Abril – assim gostava o Zé Carlos de ser reconhecido e como tal ficará justamente conhecido.

 

Muitas vezes o temos dito e escrito – e muitas mais vezes o diremos e escreveremos: José Carlos Ary dos Santos é o exemplo do intelectual que tomou partido: que fez a sua clara e inequívoca opção política e de classe; que foi artífice exemplar da colocação da intervenção cultural ao serviço da luta revolucionária; que soube encontrar e ocupar o seu posto de militante do Partido da classe operária e de todos os trabalhadores; que integrou o grande colectivo partidário comunista, com a consciência do papel insubstituível do PCP na sociedade portuguesa; que aprendeu e ensinou que «o Partido que temos é melhor».

Na sua intensa e contínua intervenção militante, o Zé Carlos utilizou as poderosas armas de que dispunha: o seu talento notável, a sua imensa capacidade de – numa identificação profunda com os anseios e aspirações dos trabalhadores e do povo e com rara sensibilidade poética e política – dizer em cada momento, com coragem e rigor cirúrgico, as palavras necessárias.
Ele foi, entre muitos outros, um poeta da resistência, desde cedo dizendo «não!» ao fascismo opressor e repressivo e fazendo da liberdade e da democracia suas bandeiras de luta.
Por isso, no dia em que «Abril abriu/as portas da claridade/e a nossa gente invadiu/a sua própria cidade», ele sabia que aquele era o nosso dia – dia conquistado com muitas lutas, muitos esforços, muita entrega, muita abnegação, muita coragem. Ele sabia desse dia que, «quem o fez era soldado/homem novo capitão/mas também tinha a seu lado/muitos homens na prisão/Esses que tinham lutado/a defender um irmão/esses que tinham passado/o horror da solidão/esses que tinham jurado/sobre uma côdea de pão/ver o homem libertado/do terror da opressão.»

Uma referência indelével

Ary integrou em pleno o grande movimento revolucionário de massas que na sequência do Dia da Liberdade, liquidou o regime fascista e iniciou a construção de uma democracia avançada, num processo revolucionário que em pouco mais de um ano mudou radicalmente o País e constituiu o momento maior e de maior modernidade da História de Portugal.

Nos seus poemas escritos nesse tempo luminoso, encontramos a história da Revolução: o dia a dia dos exaltantes avanços revolucionários; a certeira valorização do papel da classe operária, do seu Partido de vanguarda e da força organizada dos trabalhadores; a festa da luta e das conquistas através dela alcançadas; a denúncia da ofensiva contra-revolucionária levada a cabo pelas forças do passado e a resistência comunista a essa ofensiva; a sinalização amarga dos recuos e derrotas, logo iluminada pelo incentivo à luta e pela confiança na acção das massas trabalhadoras; as alegrias e as tristezas, a confiança e a certeza dos que transportam consigo as sementes do futuro porque nunca se cansam de lutar e, como ele, lutam toda a vida – e, por isso, são imprescindíveis.

O Zé Carlos é uma referência indelével para todos quantos o conheceram. Mas não só: também as jovens gerações – especialmente as jovens gerações de comunistas – ao tomarem contacto com o Poeta, ficam presos à força da sua poesia, à força arrebatadora da sua voz e à fraternidade que dela emana, à verticalidade da sua postura de militante comunista.
A sua participação na luta foi sempre sustentada naquela confiança feita da consciência das dificuldades e dos obstáculos com que todos os dias deparamos e, simultaneamente, com uma imensa confiança em que o Partido e a força organizada dos trabalhadores, superariam essas dificuldades e obstáculos em todas as circunstâncias: «Isto vai, meus amigos, isto vai» - confiava ele, incitando à luta, fazendo da poesia arma de intervenção política.

E a luta continua. Agora, enfrentando a política contra-revolucionária e anti-Abril que há 31 anos vem tentando fechar todas «as portas que Abril abriu» – e que, com o actual governo, em afrontoso desrespeito pela Constituição da República Portuguesa, atinge graus extremos de desprezo pelos direitos dos trabalhadores, pelas liberdades, direitos e garantias dos cidadãos, pela soberania e independência nacional. Uma política que a luta derrotará, impondo uma alternativa de esquerda que tenha em Abril a sua referência fundamental.

E os poemas do Zé Carlos, porque são poemas de sempre, participam na nossa luta de hoje, como o fizeram ontem, como o farão amanhã.

Texto de José Casanova, Membro da Comissão Política do PCP, no jornal Avante!



publicado por vermelho vivo às 19:03
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De POESIA-NO-POPULAR a 16 de Dezembro de 2007 às 15:01
Camarada Rogério
O Zé Carlos, é uma partícula da nossa bandeira,que nos honrrou, ontem, hoje, e sempre!
Poeta solidário sem limites!
Poeta de Abril!
Poeta Comunista!
José Manangão


De gr-gr a 16 de Dezembro de 2007 às 15:12
A homenagem merecida que lemos no Avante desta semana é muito bonita. Como Ary ficaria orgulhoso de ler palavras tão fortes, vindas de um nome grande, como José Casanova.
As palavras de Ary ajudam-nos, dão-nos força!
O Poeta da Revolução de Abril, sempre acreditou no povo, na luta.
Eu também quero continuar acreditar!
«Isto vai, meus amigos, isto vai»

GR


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo