"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008
O expansionismo alemão e a Jugoslávia

Não me encontro entre aqueles que pretendem situar a questão Kosovar à falsa limpeza étnica do final dos anos 90 e à necessidade de solucionar o problema dos coitadinhos dos Kosovares. Esta visão do problema que se tenta vender por todos os meios é simplesmente adulterar a história do conflito e branquear as ingerências e a sujidade existente em todo o processo de desmembramento da Federação Jugoslava.

Após a dissolução do Pacto de Varzóvia e o fim do socialismo no leste europeu, a República Socialista Federal da Jugoslávia manteve-se inabalável no seu percurso socialista, não se vergando ao monopólio capitalista nem à NATO. Para a Alemanha e os EUA, isto era como uma espinha cravada no coração europeu.

A Alemanha, impulsionada pela queda do muro de Berlim e pela união entre as duas alemanhas, alimentando o sonho imperialista de grande potência da europa, deu seguimento prático ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido pelos seus serviços secretos sob orientação de Klaus Kinkel que viria a ser mais tarde ministro dos negócios estrangeiros alemão: A desunião entre as regiões e as etnias que compunham a Federação Jugoslava com objectivos claros de destruir esta federação. Incentivando e empurrando a Eslovénia e a Croácia, para a separação da Jugoslávia, a Alemanha veio a ser fundamental em todo este processo.

Cumprindo mais uma etapa no processo conspirativo, a Alemanha e a Austria anteciparam-se a reconhecer as independências da Eslovénia e da Croácia, declaradas unilateralmente por estas regiões. A Alemanha não só reconheceu as independências, como forçou esse reconhecimento aos outros países da UE.

Sintomático para se perceber tudo isto, são alguns factos indesmentíveis como:

Após o anúncio unilateral de independência destas regiões, a Eslovénia a 21 de Junho e a Croácia a 7 de Outubro de 1991, num encontro da Federação do Patronato Alemão com generais das Forças Armadas Alemãs, Bundeswehr, sob o lema “questões evidentes para os alemães”, o ministro da Defesa, Rupert Scholz expressava este extraordinário raciocínio: “o conflito na Jugoslávia tem um significado para toda a Europa; enquanto as consequências da segunda guerra mundial já foram superadas, trata-se agora de rever os resultados da Primeira Grande Guerra. A Jugoslávia tem sido uma construção artificial incompatível com o direito à autodeterminação dos povos... a Croácia e a Eslovénia têm de ser imediatamente reconhecidas. Logo que esse reconhecimento se processar, então já não se trata de um conflito interno da Jugoslávia e uma intervenção internacional será possível”.
Enquanto a ONU fazia todos os esforços para evitar uma escalada do conflito, a Alemanha continuava a sabotar estas tentativas para uma solução pacífica. Assim, apressou-se a reconhecer isoladamente estas independências a 23 de Dezembro de 1991, contra a vontade de todos os membros da UE. Este reconhecimento prematuro levou o então secretário-geral da ONU, Peres de Cuellar, a dirigir uma carta ao ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Hans-Dietrich Genscher, avisando-o de que a Alemanha não estava a respeitar a decisão da cimeira extraordinária do Conselho de Ministros dos 12, realizada em Roma a 8 de Novembro de 1991, onde se estabelecera que «a possibilidade de um reconhecimento da independência das repúblicas federadas que o desejarem só será possível no quadro de um acordo que regule toda a situação na Jugoslávia…eu parto do princípio de que o senhor conhece a grande preocupação dos presidentes da Bósnia-Herzegóvina e da Macedónia e de muitas outras personalidades de que um reconhecimento precipitado e selectivo significará o alastrar do conflito numa região tão sensível. Um tal desenvolvimento teria consequências muito graves para os Balcãs e colocaria seriamente em perigo os esforços do meu representante pessoal, visando medidas que garantam a paz na Jugoslávia».

Também o mediador da U.E., Lorde Carrington, através de carta, se viu obrigado a avisar Bona de que estava a “estender o rastilho da guerra para a Bósnia”.

Todos os avisos e todas as preocupações demonstradas não obtiveram resultados e o plano inabalável da Alemanha com a ajuda da Austria e a cumplicidade dos EUA prosseguiu o seu caminho.

Como mais tarde o director da revista francesa Defénse Nationale e jornalista muito bem informado escreveria: «Os observadores alemães, muito bons conhecedores do sudeste europeu, não poderiam ignorar que devido à mescla de populações, ao arbítrio das fronteiras internas da federação iugoslava e à recordação das imensas matanças da segunda guerra mundial, a deslocação da Jugoslávia não seria pacífica. Antes que suscitaria fortes resistências. Apesar disso a política alemã comprometeu-se a fundo a favor do desmembramento do país

Estavam assim lançados os ingredientes para uma ruptura violenta da Federação Jugoslava e acesa a fogueira que viria a transformar-se num enorme incêndio nos balcãs.



publicado por vermelho vivo às 23:51
link do post | comentar | favorito

3 comentários:
De fernando samuel a 22 de Fevereiro de 2008 às 16:13
Óptimo post.
Parabéns.
Abraço grande.


De POESIA-NO-POPULAR a 22 de Fevereiro de 2008 às 23:01
Camarada Rogério
Assim não vale, não deixas nada para a gente dizer!
Bruxo!
Parabens por este desenvolvimento histórico!
Abraço
José Manangão


De António Vilarigues a 24 de Fevereiro de 2008 às 09:58
A memória histórica é fundamental.
Parabéns


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo