"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Segunda-feira, 10 de Março de 2008
Este Portugal à moda de Sócrates

Hoje apenas usarei as palavras de outros para descrever o actual estado da nação. Esta é a nação à maneira Sócrates, ou antes, o estado a que chegou Portugal com Sócrates.

(Os sublinhados são opção minha)

 

Desorientação

«Para lá das razões do descontentamento, há duas leituras da manifestação dos professores em Lisboa que não podem ser ignoradas.

A primeira é social. O movimento de contestação a este Governo tem assumido, desde Março de 2007, uma escalada sem precedentes. Sabendo que as alternativas ao PS são frouxas, sabendo que o diálogo social e político é inexistente, estando cada vez mais presentes as más políticas e menos as boas, só resta ao português médio exigir atenção na rua. É assim que este Governo socialista corre o risco de ficar para a história como tendo liberalizado as relações laborais, desmantelado a Saúde, feito reformas atabalhoadas na Educação, mexido a medo na Função Pública. A raiva que os portugueses têm alimentado faz esquecer o que de positivo se tem feito. E a tolerância parece ter limites, mesmo depois dos dois governos desastrosos de Durão e Santana.

A segunda leitura é política e tem como expoente máximo o ministro Augusto Santos Silva - o mesmo que alarmou para um golpe constitucional se Cavaco fosse presidente da República -, a chamar fascistas aos manifestantes de Chaves. Mostra a desorientação de um Governo irritado com a falta de gratidão que acha que os portugueses lhe devem, que não sabe sequer como explicar o "voluntarismo" da PSP, que foi às escolas para tentar saber quantos iam à manifestação. Mas, enfim, esperamos ansiosamente por ver polícias nas sedes do Partido Socialista a perguntar quantos militantes vão estar presentes no comício/manifestação a favor do Governo do próximo sábado, no Porto.

O que se percebe é que a estratégia de Sócrates de atirar os portugueses uns contra os outros, como se fosse o 'Robin dos Bosques' dos sem- -privilégio, já não engana ninguém. Porque entre os professores há pais e os pais já começam a perceber que a instabilidade na Educação é a mesma que se viveu na Saúde, em que os casos de Alijó e de Anadia contribuíram para a queda do ministro. Se o arrependimento levasse ao céu, Sócrates já lá estaria desde o dia em que decidiu manter Maria de Lurdes Rodrigues. E agora é tarde. Não pode demitir a ministra, sob pena de mostrar fraqueza. Não a pode manter, sob pena de perder o controlo da rua. E o poder na rua pode ter efeitos perversos.»

Domingos de Andrade, Chefe de Redacção. JN de 10-03-08

 

Desnorte total

«Santos Silva adora o papel de ideólogo ao serviço das políticas de direita. A propósito de tudo e de nada mete a colherada e teoriza sobre as fronteiras entre a esquerda e a direita. Dá-lhe gozo subir a escadaria parlamentar, puxar do léxico académico, citar metáforas doutorais e convocar a retórica em socorro do imaginário esquerdismo das políticas do seu governo. É o académico travestido em político que se deleita a disfarçar a vida e as consequências dramáticas das suas políticas. Este é o retrato robot de Santos Silva, ministro da propaganda, retrato de um homem que abusa da metáfora para se reclamar de esquerda, esquecendo que o que verdadeiramente distingue as políticas são os interesses que servem e quem delas beneficia.

Sendo uma espécie de estereótipo político, era também expectável que fosse dos primeiros a vergar perante as ondas de choque de oposição ao seu Governo. É sempre assim, quem mais usa a retórica como máscara mais depressa a deixa cair quando se tornam evidentes as consequências negativas das suas políticas. Foi o que lhe sucedeu, sobretudo depois do Governo ter julgado que a contestação popular seria estancada com a mudança de caras na Saúde. Ao contrário do imaginado, a oposição alargou-se e converteu-se num gigantesco protesto na educação, área onde o autoritarismo impera desde o início da legislatura. O desnorte instalou-se no núcleo duro de José Sócrates, a falta de discernimento começou a tocar de forma mais marcante os seus principais arautos, a começar por Santos Silva.

O espectro avassalador de dezenas de milhares de professores nas ruas de Lisboa foi a gota de água em direcção à desorientação generalizada. Valeu tudo para tentar impedir e intimidar, desde a cegueira de ver comunistas em todo o lado até à ordem - igualmente fascizante - para indagar nas escolas o número de aderentes. Era, porém, tarde demais, nada seria já capaz de suster a torrente de protesto de uma classe profissional profundamente espezinhada por José Sócrates.

Foi sem surpresa que se assistiu ao desespero completo tomar conta de Santos Silva, fazendo-lhe cair a máscara com fragor. Insultou os comunistas e os democratas portugueses. O país sabe há muito, e muito bem, quem mais lutou e sofreu - com a prisão e a própria vida - pela liberdade em Portugal. Mas no sábado, o que o país não sabia e ficou a saber foi que Santos Silva nunca lá esteve, na luta contra Salazar e pela Democracia. Mas se tivesse querido, e tivesse tido coragem, até já tinha boa idade para se ter dado por ele...»

Honório Novo, Deputado do PCP. JN de 10-03-08

 

Tudo normal

«100 000 dos 140 000 professores portugueses manifestaram-se em Lisboa exigindo a demissão da ministra. Mas, para esta, "o país não tem escolha". Por isso, "continuará a trabalhar". Anteriormente, em várias localidades do país que não tem escolha polícias à paisana andaram pelas escolas a perguntar quem iria manifestar-se a Lisboa, "coisa - para o porta-voz do PS, Vitalino Canas - perfeitamente normal", com a PSP a cumprir "simplesmente as suas funções". Por sua vez, na área de serviço de Aveiras, a BT, também cumprindo simplesmente as suas funções, interceptou 20 autocarros cheios de professores impedindo-os de chegar a tempo à manifestação, para confirmar se todos traziam os cintos de segurança devidamente postos. Em Chaves, um perplexo ministro, confrontado com mais manifestantes, informou-os de que "a liberdade é algo que o país deve a Mário Soares, Salgado Zenha, Manuel Alegre. Não deve a Álvaro Cunhal nem a Mário Nogueira". Excluiu-se modestamente a si próprio da lista de credores do país mas cumpriu também simplesmente as suas funções, e Chaves é um sítio como outro qualquer para reescrever a História. Como os xadrezistas de que fala a lenda, o Governo parece tão absorvido no seu próprio jogo que não dá conta de que a cidade está em chamas.»

Crónica diária de Manuel António Pina. JN de 10-03-08

 

Opiniões sintomáticas!...

 

Justifica-se plenamente a frase muito utilizada ultimamente nas ruas de Portugal:

"Está na hora,  está na hora,  do governo ir embora!"

 

PS - Sinceramente, cada vez tenho menos pachorra para ler o Público, como tal, começo a perder o que por lá se escreve, mas provavelmente, lá se poderá encontrar o grande ideólogo da inevitabilidade Socratiana, Vital Moreira, com uma qualquer tese absurda que contraria e explica tudo isto.



publicado por vermelho vivo às 22:19
link do post | comentar | favorito

4 comentários:
De lutaefesta a 11 de Março de 2008 às 01:26
Cada vez mais e mais saímos às Ruas.
A Luta continua e é contínua...


De POESIA-NO-POPULAR a 11 de Março de 2008 às 10:06
Camarada Rogério
Existe realmente muito descontentemento,mas, nem todos querem o mesmo que nós!
Na altura própria é vê-los a dar cambalhotas,agora é necessário preencher o fosso para que a oposição do PCP não pareça tão forte, são os chamados almofadinhas!
Abraço camarada
José manangão


De éne a 11 de Março de 2008 às 14:14
Passados estes dias ainda não consegui perceber qual dos sentimentos pesou mais, se a tristeza se a revolta. Ouvir isto de um ministro dito socialista, não é propriamente aquilo que se espera, mesmo que se pense que já se pode esperar tudo.


De LUIS SILVA a 12 de Março de 2008 às 00:52
Hoje sou um homem feliz.A revolução cultural vem a caminho.
Segundo o Egº do fax esta contestação dos profs é obra dos comunistas,ora contando que estavam 100.000 dos 140.000 na manif do dia 9 posso concluir que as próximas gerações vão mudar este país.
Ó Egº os teus descendentes já não vão ter benefiício nenhum das politicas do saque ao povo que andas a fazer.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo