"Quem luta, nem sempre ganha, mas quem não luta, perde sempre!"

 
Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2007
IVG


Parece-me indispensável que o debate acerca da IVG (Interrupção Voluntária da Gravidez) seja conduzido de forma esclarecedora, elevada e incida sobre aquela que é a pergunta a referendar no próximo dia 11 de Fevereiro.

Sem escamotear que do lado do SIM possam existir alguns comentários mais excessivos, parece-me claro o desvio geral e constante da essência da questão por parte dos defensores do NÃO.

O que se pergunta é o seguinte:

Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras dez semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?

A pergunta é clara! Não pergunta se concorda que o aborto exista, porque isso nós sabemos que existe e as estatísticas dizem-nos que entre 16.000 e 20.000 abortos clandestinos são praticados por ano, sendo que este é um número talvez por baixo pois há casos que são demasiado encobertos para aparecerem nas estatísticas; Não pergunta se os comunistas tem ou não razão quando defendem o SIM, nem pergunta se esta despenalização vai contra a doutrina religiosa ou não.

O que se pergunta entre outras coisas é:

Deve-se continuar a permitir que milhares de mulheres continuem a abortar clandestinamente em clinicas de “vão de escada” com todos os riscos daí inerentes?

Deve-se permitir que a lei não tenha o mesmo peso em função dos extractos sociais? Porque quem tem dinheiro vai a espanha “passar uns dias de férias” e vem de lá com a IVG consumada sem que ninguém saiba.

Deve manter-se em vigor a hipocrisia da lei actual que não passa de uma contradição inconcebível num estado de direito, em que a lei existe mas não é cumprida? Porque a lei pune com cadeia até 3 anos quem aborte e quem ajude a abortar mas poucos Juizes a fazem valer.

Deve a mulher ter direito à liberdade individual e pessoal sobre o seu corpo, podendo decidir sobre si, ou deve o estado impor a sua vontade sobrepondo-se a este direito?

É esta realidade que se pretende referendar,  se deve manter-se ou alterar este “status”.

Pela parte que me toca, defendo o fim desta hipocrisia da sociedade, desta falsa moralidade, e exponho algumas razões:

É um dado adquirido que a ilegalidade não resolveu até agora o problema da IVG e é claro que não vai resolver-lo no futuro porque a IVG não é uma questão de lei , mas sim de consciência e de razões próprias, cabe a cada mulher perante a realidade que enfrenta decidir se deve ou não fazer esta opção, e nem o estado nem a sociedade tem o direito de decidir por ela.

A despenalização não vai obrigar nenhuma mulher a abortar, ao contrário do que erradamente acontece neste momento em que a lei empurra a mulher para a clandestinidade ou para o estrangeiro.

A despenalização da IVG poderá proporcionar um acompanhamento mais eficaz da Mulher que vai abortar, até na oportunidade de tentar alterar a sua opinião colocando-lhe outras hipóteses e disponibilizando-lhe apoio, esta alternativa jamais será possivel na clandestinidade.

Para mim, um ser humano só deve ser posto no mundo de forma responsável e desejada, porque estas são condições importantes para assegurar uma vida digna ao novo habitante.

Defendo, como sempre defendi:

- A implementação rapida e determinada da educação sexual nas escolas;

- Um ensino escolar de qualidade capaz não só de formar e doutorar mas também de consciencializar, de transmitir valores, e acima de tudo acessível a todos;

- Gabinetes de apoio e aconselhamento aos adolescentes nas escolas;

- Um planeamento familiar efectivo, que não se coaduna com o estado de privatização da saúde em curso, com o encerramento de maternidades, centros de saúde e hospitais, nem com o cada vez maior número de utentes sem médico de família;

- Um sistema de segurança e solidariedade social que permitam uma maior estabilidade aos cidadãos perante as situações de desemprego, de doença ou outro qualquer precalço;

- Leis que permitam menos precarização do emprego, salários dignos e que permitam aos pais estarem mais tempo com os filhos podendo assim transmitir-lhes valores que começam a escassear na actual sociedade;

- Leis que protejam a maternidade das mulheres no seu emprego;

- Atribuição de abonos decentes para a maternidade e apoio ao crescimento dos filhos incentivando assim a natalidade;

Se os defensores do NÃO quizerem discutir o aborto em si, estas e muitas outras, são medidas que devem ser postas á discussão  e que a meu ver podem fazer baixar as taxas de IVG. Mas não é de certeza pela penalização que a IVG deixa de existir.
Curiosamente, muitos dos que defendem o NÃO são provavelmente os mesmos que tem votado e levado ao poder os governos que não tem sido, nem vão ser capazes de pôr em prática esta tipo de politica de combate ao aborto e à exclusão social.

Alguns argumentos do NÃO têm-me deixado espantado, uns discutem se o feto até às 10 semanas tem vida ou não, alguns não conseguem distanciar a sua luta pelo NÃO do combate ao PCP e outras forças partidárias de esquerda, outros alegam razões de doutrina religiosa e moralidades para condenar a IVG, enfim, tudo menos a verdadeira questão.

E falando de perplexidade, trago ao texto o outdoor dos defensores do NÃO “Contribuir com os meus impostos para financiar clínicas de aborto?”
Não sabem eles que as consequências de muitos dos abortos clandestinos obrigam a tratamentos posteriores no sistema nacional de saúde? Não tem custos?
Não sabem eles que se a lei for escrupulosamente cumprida, as milhares de pessoas que teriam que ser presas também teriam custos para os estado?
Ao que chega a falta de argumentos...
Sobre isto, não resisto à citação de Julio Machado Vaz que  escrevia no seu blog “Murcon” o seguinte:

"Com receio que as abordagens religiosa, ética, de saúde pública, legal, etc... não chegassem, alguém sacou da manga um argumento que cala fundo em cérebros pós-modernos e endividados - querem ser vocês a pagar? Quando se recorre ao bolso e à carteira para defender a Vida, diz-se alguma coisa acerca da sociedade em questão, a saber, acerca da sua hierarquia de valores. Eles não são apenas indiscutíveis, mas também caros!
Pobres de nós - vou repetir - nós todos... - quando tal argumento faz sentido numa discussão destas.”

Não posso estar mais de acordo.

Talvez fosse mais importante que os movimentos do NÃO divulgassem o que fizeram nos últimos anos para atenuar as consequências do aborto clandestino, isso sim, pode ser um argumento válido para esta discussão e já agora, divulgassem também os resultados obtidos.
A menos que se aplique aqui aquela velha frase,
“Bem prega Frei Tomás, olha para o que ele diz, não olhes para o que ele faz.”



publicado por vermelho vivo às 12:22
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Resistir!

Demissão!

A frase do dia

Festa da Fraternidade 201...

A Voz que Conta!

Fascismo. Cuidado eles an...

Ai Crato. Ai, Ai...

Álvaro Cunhal

O 10 de Junho

semelhanças...

arquivos

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Os meus hinos

 

 

 
Melhores adeptos do mundo